BLOG

Relato sobre Amamentação – Mariângela #SMAM2019

“Fui escrevendo entre um soninho de mamada da Olívia e outro soninho, chorinho, fraldinha suja, etc!! Segue então meu relato sobre “a arte de amamentar”: Assim que saímos da sala de parto, eu saí com a Olívia e eu já fui bombardeada pela equipe de cuidados na maternidade com : “olha, seu bico é plano, […]

1 de setembro de 2019
1

“Fui escrevendo entre um soninho de mamada da Olívia e outro soninho, chorinho, fraldinha suja, etc!!

Segue então meu relato sobre “a arte de amamentar”:

Assim que saímos da sala de parto, eu saí com a Olívia e eu já fui bombardeada pela equipe de cuidados na maternidade com : “olha, seu bico é plano, e agora?”, “você não viu isso antes?” Entre outras falas que me fez pensar: puxa, falam tanto do parto e tão pouco da amamentação durante o período de gestação, que se eu soubesse teria feito alguma coisa! Que pessoa no mundo quer deixar seu próprio filho, recém nascido passando fome? Nem sabia que existia essa de bico plano, onde eu troco? Como eu faço? Acabei de parir minha primeira filha, e agora? Ainda teria uma solução?
Na teoria, eu sabia como fazer: colocar a auréola do peito todo na boca da bebê, que precisa ficar uma boquinha de peixe, lábios viradinhos. Ótimo!
Na prática, não tinha a menor ideia de como executar! Além da insegurança de tudo novo acontecendo.
Cada um que entrava no quarto dava uma orientação diferente.
Fomos “escolhidas” pois a Fonoaudióloga não passou no nosso quarto, não tivemos orientações certeiras sobre a amamentação e a Olívia ficou sem o teste da linguinha.
A preocupação era o resultado do Destro. E aos trancos e barrancos a Olívia “mamou”.
Tivemos alta e em casa, a Olívia mais dormia que mamava. Mesmo com nossos estímulos, era difícil de acordar e quando ia mamar, não sustentávamos a pega, e quando demorava um pouco mais no peito, ia ver e a Olívia tinha dormido.

Resultado: 1 dia em casa e o peito ingurgitado.

Era só choro, dor e sensação de que o problema duraria para sempre.

Minha mãe (que mora em outra cidade) veio me ajudar com tudo e ainda dar a maior força em relação a amamentação. Minha irmã (nutricionista e mãe), mesmo de longe, me orientando e dando apoio! Meu irmão e cunhada, vieram de João Pessoa ver a Olívia e me ver, mas ficaram ajudando em tudo por aqui, na ajuda moral da amamentação também!
E principalmente meu marido amado, Amauri, que não mediu esforços para conseguirmos vencer esses dias difíceis do início da amamentação, seja em serviços da casa, cuidados comigo e com a Olívia ou até mesmo com palavras de incentivo.

Tive auxílio da Ana Paula, consultora de amamentação para me ajudar a “desempedrar” o leite do peito, aprender a massagens e ordenhas e mais um monte de outras coisas, o que foi ótimo.
Na pega, a Olívia até pegou certinho, mas não sustentava. Pegava e soltava, pegava e soltava, o tempo todo. Isso quando não pegava e dormia.
Com isso, a Ana verificou na Olívia, o freio da língua curto. E indicou a Laiza, que é Fonoaudióloga e além de olhar para a Olívia, nos cuidou como família e a nova linguagem a ser aprendida com a chegada da Olívia. Da mesma forma, por não conseguirmos consulta médica pelo convênio, acabamos pagando uma consulta da pediatra Ana Paula de Lima que também nos ajudou muito.
Aliás, foi ela que fez o “pic”no freio da língua da Olívia. Adiantando muito nosso processo e diminuindo nossa ansiedade, angústia, etc!

Parte 2: a Olívia precisava fazer exercícios com a língua para reaprender a mamar.
Nisso… eu estava ordenhando e dando meu leite no copinho para ela, além de oferecer sempre o peito, que ela mamava “daquele jeito”.
Ela começou a mamar mesmo efetivamente no sábado 20/7. 12 dias depois que nasceu.
A pega correta, mas por termos tentado de tudo, meu peito estava com os bicos bem machucados (veja bem, até quem tem bico plano consegue!) e trocando ideias com outras mães, todas têm histórias para contar sobre as dores deste início do processo da amamentação.
Na minha percepção, ainda existe uma romantização da maternidade. Muito caminhamos em relação ao parto, mas ainda precisamos disseminar relatos “da vida como ela realmente é” em relação a amamentação e puerpério. Minha humilde opinião é que no pré natal deveríamos falar mais sobre a amamentação, veicular mais informações, veicular mais conhecimento real sobre o assunto. Sei que além de mais econômico, o leite materno é o que existe de mais saudável e nutritivo para minha bebê! Mas exigiu (e está exigindo) muito de mim!
Como eu sou persistente e queria muito amamentar, fiz esta insistência neste processo que ainda não chegou ao fim! Estou aprendendo a cada dia!! E agora precisamos que a Olívia recupere o peso do nascimento, visto que ela foi prejudicada em alguns dias de mamadas!
Ainda dói, não durmo nem 3h por dia/ noite porque além de amamentar preciso massagear, ordenhar, ter todos os cuidados para não ingurgitar novamente e garantir que esteja fácil/atrativo para a Olívia pegar (uma auréola e bico duros cheios de leite não serão legais para a bebê, além de me machucar!), até mesmo porque tenho a sorte de ter muito leite. Por outro lado, vaza em momentos inesperados, preciso andar com toalhas pela casa! Não vejo a hora de poder amamentar sem todos esses complicadores! Mas entendo ser um processo!
Agradeço a todas as pessoas que cruzaram meu caminho nos momentos cruciais que deram vontade de desistir! Não posso deixar de agradecer às minhas amigas, amigas que são mães e que por mensagens foram me apoiando nesta caminhada! E principalmente da minha família que deram (e dão) todo o apoio para que eu possa amamentar a Olívia pelo tempo ideal dela, e que seja cada vez mais gostoso para nós duas!”

Depoimento por Mariângela, mãe da linda Olivia.23

Depoimentos

Minha doula, Karen, que me mostrou que muitos “nãos” podem ser convertidos em um único “sim”. Aquele que terá valor para o resto de sua vida, como a fênix faz a mulher renascer das cinzas, que faz adormecer a mulher fragilizada, para dar espaço a mulher dona de si, do seu destino e mãe. E que fez tudo para que isso acontecesse de uma forma serena, cheia de luz e paz. Para você, querida, que foi meu porto seguro, que fez tudo e que viveu minha perda e tornou isso a maior conquista e descoberta da minha vida: Todo amor que houver nessa vida.

Marilene Pereira

A drenagem linfática sempre me ajudou desde antes da gestação, mas principalmente durante ela, quando os inchaços são mais constantes. Além disso, contar com uma profissional bem atualizada me deixa bastante tranquila em relação ao parto (Karen será minha doula), sem contar todo o acolhimento recebido.

Juliana Ferraz

Conheci a Pamela este ano e recebi um enorme benefício para meu corpo e minha saúde. Sua conduta é profissional de grande qualidade, dedicação e seriedade, sempre preocupada em estudar a saúde de cada paciente em particular. Indico sempre seu trabalho!

Liliana

Bem , conhecer a Karen foi um prazer para mim , Gio e nosso filho Pedro . Iniciamos o preparo perineal com ela no terceiro trimestre de gestação com uma consulta atenciosa e profissional na clinica Healize. Tive uma dedicação da Karen desde o primeiro contato, e eu mesmo sendo médica precisei de muitas informações para meu desempenho no parto. Mesmo com o preparo que nosso corpo nos dá para o parto , a massagem perineal e o uso do EPi nos deixaram seguras frente ao trabalho de parto. O Pedro nasceu de 39 semanas e 3 dias de parto normal sem ipisiotomia sem nenhuma laceração em meu períneo , isso nos deixou muito gratas com o atendimento recebido na Healize.

Carolina Cresciulo

Tenho 68 anos e há 2 anos atrás não estava bem, com o corpo todo enrijecido, fortes dores me impossibilitando de andar ou subir degraus, foi quando decidi experimentar o Pilates, foi a minha cura. Gostaria de dizer que o Pilates tem que ser muito bem orientado e bem acompanhado, o que encontrei na Healize, com uma profissional séria, competente e que está sempre se atualizando com cursos e estudos.

Aidir Maria